Marco Gomes

Geek, imigrante, nerd, cristão, biker. Founder da boo-box (vendida) e do Heartbit. Consigliere do JovemNerd

Afinal, o que eu devia fazer da vida?

Publicado em 2007-08-31

A experiência desagradável na UnB

Quando tinha 19 anos, dois anos após entrar no curso de Computacão da UnB, fiquei em dúvida sobre o que eu realmente queria fazer da vida.

A verdade é que eu odiava dois terços do que era obrigado a estudar na UnB, e olha que eu mal havia começado. Programação em C, Lógica Proposicional Clássica, Cálculo! Aquilo não era pra mim, definitivamente.

Eu estava a um ano trabalhando em uma agência de publicidade, maravilhado com a criação de campanhas de marketing pra Internet, posicionamento de marcas, impacto na percepção dos clientes, usabilidade de grandes portais de comunicação. Na UnB eu era obrigado a ignorar tudo que aprendia durante o dia e provar, nas aulas de Lógica, que “se fi é verdadeiro e não-psi é verdadeiro, então fi implica não-psi é verdadeiro” (ou qualquer coisa assim, não importa pra mim).

Essa insatisfação gerou longas conversas com o Guga, um redator publicitário[bb] da agência, sobre a época em que ele próprio teve essa mesma dúvida. Eu não me conformava em ter desgostado do curso justamente após ter conseguido entrar, quem já tentou entrar em qualquer federal sabe o quanto é difícil, eu não podia ser tão inconsequente e largar uma chance que todos os meus amigos queriam ter… Como sempre, fiz o que o todo mundo julgou ser a coisa mais estúpida que podia ser feita: larguei (até quis pagar meu amigo Judeu pra ele explodir o minhocão inteiro, mas faltou verba pro C4).

Durante toda minha vida eu gostei de tecnologia, cresci sonhando e trabalhar com computadores, como meus tios que eu tanto admiro. Numa madrugada qualquer de 1997, aos 11 anos, conheci a linguagem HTML, a primeira maneira de construção de interfaces que aprendi, decidi que era aquilo que eu queria fazer pra sempre: Programar (eu achava que HTML é programar, não ria muito).

Quando entrei na UnB encontrei acadêmicos 20 anos atrasados, no mercado descobri o mundo da comunicação e percebi que codificar não era exatamente o que me excitava, o que me deixava maluco era construir interfaces que conversassem com outras pessoas e fizessem pensar “nossa, como é legal usar isso!”.

Resultado, dois anos na UnB, muitas noites perdidas, alguns problemas de saúde, algumas boas oportunidades profissionais por conta da sigla “UnB” no currículo, alguns ótimos amigos, uma mudança repentina de rumo profissional e várias lições aprendidas, principalmente a de como mostrar pro meu filho (quando eu tiver um) como decidir a carreira antes de entrar na bendita universidade.

Colleges differ, but they’re nothing like the stamp of destiny so many imagine them to be. People aren’t what some admissions officer decides about them at seventeen. They’re what they make themselves.

Universidades são diferentes, mas não são a etiqueta de destino que muitos imaginam que é. Pessoas não são o que algumas bancas de exame decidem sobre elas aos 17 anos de idade. Pessoas são o que fazem de si próprias.

Paul Graham: News from the Front

Leia um post meu que ilustra essa época sofrida em que tentei conciliar UnB e trabalho.

Como evitar o meu problema?

Ikwa - logo

Pra evitar que jovens tenham decepções com seu curso superior, está nascendo, pertinho do boo-box, o Ikwa, um sistema de aconselhamento profissional que estou vendo nascer. O objetivo inicial é intervir na escolha de carreira dos alunos de ensino médio, fazendo o papel do psicólogo com menos custo para a escola e mais eficiência para o estudante.

O time é campeão: Marco Noleto, um ótimo designer. No Ruby on Rails tem um punhado de japoneses gênios, um ocidental todo tatuado e um cabeludo que fala bem baixinho. Uma galera responsável pelos videos e vários redatores, inclusive uma super-gatinha e um mano do hip-hop. Todos liderados por um cara sangue-bom da geração saúde.

O serviço promete, cadastrem-se e aguardem =)

OBS: Este post não foi patrocinado ¬¬


Textos relacionados:

Deixe sua opinião

29 comentários

  1. FMatt comentou:

    Eu acho que muito mais que a metade dos jovens que entram em uma faculdade logo após o ensino médio, ou mesmo depois de 1 ano de cursinho, não fazem a MENOR idéia do que querem.

    Essa é a realidade, eu fui mais um.

    Por sorte, e mesmo depois de 3 anos de faculdade, mudei de rumo.

    Agora vai !!! :P

  2. Mario comentou:

    Disclosure: a Ikwa e o Boo-box têm o mesmo investidor… não é?

  3. Rafael Slonik comentou:

    Show de bola! Adorei a idéia.

  4. Licio comentou:

    Pow, achei que esse tipo de dúvida era exclusividade minha =)

  5. Lião comentou:

    simplismente a minha cara esse post! neste exato momento tô numa puta vontadade de mandar às favas esse curso de engenharia que tô fazendo, e olha que tô no primeiro ano…todo mundo me chama de louca mais fazer o que? aquelas aulas de cálculo…NINGUÉM MERECE; as derivadas no quadro e a minha cabeça´e outro mundo…o pior é que eu nem sei o que quero, se pudesse ía pra um retiro budista no tibet em busca do auto-conhecimento… só sei que nesse curso NÂO DÁ, eu me enrolei toda naõ tô estudando, no fim me acho uma droga pela minha completa incosequência e irresponsabilidade e entro na maior deprê…QUE DROGA!!!!!!!!!!!

  6. Fabio Bracht comentou:

    Putz, tem um frase no “about” do Ikwa que é praticamente um mantra pra mim: “Sair de casa para trabalhar com prazer deve ser um princípio, não um privilégio.”

    Eu sempre vivi em função disso. Tanto é que hoje em dia eu ganho pouco, mas faço que gosto. O dinheiro e o sucesso só vêm com a felicidade de se fazer o que se gosta. Se não for assim, não tem graça.

    Já me cadastrei no Ikwa. Ansioso pra ver o que esses caras aprontaram. Promete muito! =)

  7. Bernardo comentou:

    Me sinto exatamento assim, só que ao contrário num ponto. Tenho a impressão de que tudo que faço acadêmicamente e no emprego não refletem o que adoro ler, fazer, estudar, participar, trabalhar, que é com internet, com comunicação entre as pessoas na internet, com a fascinante idéia de encurtar distâncias e facilitar tarefas diárias.

    Eu também penso em largar algo para fazer o que gosto. Mas o que largaria não seria a faculdade (Criação e gestão de ambientes de internet) e sim o emprego (programador/desenvolvedor de sistemas da área de engenharia da petrobras). Eu não me sinto parte desse trabalho nem forçando.

    Vamos ver no que vai dar essa história.

    Parabéns pelo post (principalmente pelo fato de não ser patrocinado)! Abraços!

  8. Idéia *mto* interessante. Só corrigir o link do ikwa, que está quebrado.

    Abração,

    Guilherme

  9. Marco;
    Um enorme prazer saber que você, como nós, acredita que a escolha profissional é extremamente importante e que aqueles que tomam esta decisão com consciência tem uma chance muito maior de se tornarem profissionais produtivos e felizes!
    Vi os comentários do pessoal; Lião, sou engenheiro também, formado há 6 anos, mas nunca trabalhei como engenheiro… Fabio; concordo contigo, a frase do about deveria ser um mantra para todos….
    Em breve vamos liberar o acesso para aqueles que pediram um convite no site… Espero que vocês gostem de participar do Ikwa e explorar seus futuros!

  10. Márcia comentou:

    Acho que essa grande dúvida uma hora ou outra surge na vida, a diferença é que alguns descobrem que é aquilo que querem mesmo e continuam, outros continuam mesmo não sendo exatameeeente aquilo (como foi meu caso) e outros param por ali mesmo (como foi seu caso, pelo visto).

    A minha primeira faculdade (Sistemas de Informação) me ajudou muito, mas não me deixava plenamente satisfeita. De qualquer forma cheguei até o final do curso, me formei (sozinha na turma) e hoje estou fazendo minha segunda faculdade, Design de Interfaces. E, apesar de todos os problemas, hoje estou me sentindo mais feliz por fazer um curso que me agrada e por poder complementar os meus conhecimentos da primeira faculdade, juntamente com a experiência profissional que tive nas diversas áreas que passei, principalmente a atual, arquitetura de informação =D

    Ah, me inscrevi no Ikwa e tô esperando o convite. Fiquei curiosa :o)

    Beijo!

  11. Charles Maciel comentou:

    Por mais que se saiba qual curso fazer sempre ter alguma coisa para te decepcionar, o meu caso foram os “acadêmicos 20 anos atrasados”. Mas de resto as dúvidas servem para melhorar a vida.

  12. Todos os adolescentes passam por isto…
    Eu também comecei a fuçar computadores desde muleke.. lembro que meu primeiro contato foi com um a teclado que tinha encaixe para um cartucho e uma saída RCA, e o único cartucho que tinha era o PacMan. Não me pergunte o nome do aparelho, mas o gráfico era de Atari.
    Alguns anos após apareceu um 386DX2 (e um Monitor de fósforo verde. Brincadeirinha…kkk)
    Era show!!! Totalmente emocionante, jogar Prince of Pérsia. Meu pai era xarope pacas com este PC, e alem do mais o sistema operacional (DOS – se e que posso chamar de sistema operacional) não me agradava muito. E vivia travando o jogo, e quando reiniciava não conseguia colocar no jogo (entende por que meu pai xaropava!!!)

    Logo após me apaixonei pela linguagem de programação HTML( kkkkkkkkkkkkkkkkk). Mais ai veio o Skate, as drogas, as mulheres, e toda a curiosidade pelo cibermundo foram por Terra.
    Resumindo, hoje estou no 8º semestre de ADM. com Gestão em Sistemas de Informação e não sei por que estou neste curso.
    Como diria Shaw: “O mundinho estranho…”

  13. Alex Pires comentou:

    É por essas e outras que eu só ganhei fólego para concluir meu curso depois que eu troquei de faculdade (Devido ao corpo docente pífio da faculdade anterior) e voltei a ser o pesquisador ávido que era antes de entrar no curso de Computação e ser infectado com essa cambada de encheção de currículo pra inglês ver.

    No final das contas o mundo de faz de conta que eles ensinam na faculdade/universidade só contempla mais o que eu ando vendo no mercado, especialmente no de “desenvolvimento de aplicações corporativas” (Que deveria se chamar retrocedimento de bugs burocráticos na minha opinião). Nem preciso perguntar qual foi o ultimo livro que esse pessoal leu porque provavelmente deve ter sido na época da faculdade hahaha.

    Enfim…pelo menos vou ver se dou uma ajuda a minha maneira. Vou ministrar uma palestra onde formei mostrando tudo aquilo que eu não aprendi na faculdade mas que são totalmente relacionadas com a área em termos de linguagens, metodologias, paradigmas e até usabilidade (Pasme). Vamos ver se eu consigo conquistar algumas mentes que tem este mesmo espírito de indignação que nos infectou.

    E só ontem (Treinei no Gama :D) que eu fiquei sabendo que você importou o Wenderly para Sampa. Espero que a parceria seja totalmente excelente!

    Grande abraço irmão!

  14. Karlisson comentou:

    No meu caso eu queria fazer mesmo o curso de computação, mas lá eu não vejo nada do que me interesso: WEB, Interfaces e Gŕaficos. O desinteresse é crônico. A forma de passar o conhecimento é antiquada e desestimulante. Pena. Eu quero terminar esse curso, mas está difícil.

  15. Marcelo Linhares comentou:

    Galera não tá exagerando demais com este papinho de web2 e startups não??

  16. Fábio Silva comentou:

    Ciência da Computação realmente é “sux”.
    E o pior é que, aqui no Norte, tanto o ambiente acadêmico quanto o profissional são atrasados. Aqui, parece que ficamos presos em um mundo alternativo dentro da Bolha (:S), onde os acadêmicos acreditam piamente no Java e o mercado não sabe o que é JQuery. u.u

  17. Giovanni Ferreira comentou:

    A universidade brasileira é um dinossauro pousado num aeroporto. O mundo mudou, mas a universidade, que se diz a vanguarda do conhecimento e inovação, ficou para trás. A grande maioria dos doutores das universidades públicas brasileiras não passam de incompetentes que se escondem atrás do títutlo, que foi tirado baseado em teses sem nenhuma contribuição à ciência, mas com a proteção de bancas corporativistas. Poucos são realmente doutores no Brasil.

    O que o Marco está fazendo na Web já é suficiente para rir da UNB que não acolhe talentos como ele. Todos devem ficar trancados na “grade curricular”, domesticados e homogeinizados. Talentos devem ser esmagados.

    Mas Marco, você escapou das grades e saiu voando. Não será só um consultor Java.

  18. gustavo comentou:

    antes de entrar em publicidade eu vendia camisetas em universidades, conheci muitos cursos e ouvi muitas reclamacoes sobre varios cursos. o que mais me doeu uma vez foi escutar de uma academica do 5 ano de psicologia que entrou nao gostando e nao tinha coragem de dizer aos pais que nao gostava do curso e queria sair… mas que no 3 ano encontrou uma materia que gostava e hoje gostava.

    sempre quiz fazer universidade de publicidade, sonhava fazer parte de uma produção de um comercial para tv… assisti muito TVE um programa chamado INTERVALO.

    fiz universidade de publicidade. numa sala com 60 academicos 10 estavam ali porque realmente queriam fazer publicidade, os outros 50 era uma mistura de estar ali por acaso ou nao saber o que esta fazendo ali.

    eu sonhava com isso e achava que era isso que eu queria fazer… ja havia até trabalhado na area… mas hoje estou estudando programacao…

    realmente muitos nao sabem o que fazer da vida, por isso nao e bom levar nada muito a serio… apenas curta o momento…

    IMPORTANTE: acredito que antes de fazer qualquer universidade a pessoa deve ir trabalhar na area em pelo menos em uns 3 lugares diferentes do mesmo ramo. Assim vai poder ter uma ideia real do negocio.

  19. Reginaldo Sousa comentou:

    Nunca olhei com bons olhos pra cursos de “qualquer coisa” da computação e acabei demorando 2 anos pra decidir entrar numa facul depois que terminei o segundo grau.
    Optei por uma faculdade que tem praticamente 80% das aulas práticas, tirando as aulas de rede e de “estatistica e probabilidade”. Mesmo assim ver que as coisas ensinadas estão ultrapassadas e/ou não são o que você pretende fazer desanima MUITO!
    Conclusão, desisti na metade do curso e não pretendo voltar, apesar de ter gasto uma boa grana (quem conhece o Infnet sabe o *valor*) e ter feito ótimos amigos.
    Hoje estou numa ótima empresa graças ao meu esforço em aprender e me atualizar sozinho.
    Vejo os estagiários que seguem a risca o que aprendem na faculdade, não se atualizam e não se preocupam com isso. No fim do estágio a maioria não é contratado.

  20. Fernanda Alvarez comentou:

    A escolha da profissão é uma decisão muito difícil. Ser tomada aos 17 anos então, dificulta ainda mais.

    Depois de ter cursado uma outra faculdade resolvi ingressar no mundo da Tecnologia da Informação. Desta vez procurei escolher bem o que iria estudar e onde. Optei por cursar no INFNET a graduação de Gestão da TI e diferentemente do nosso amigo Reginaldo curso até hoje. Considero o curso bem atualizado.

    Aplico todos os conceitos e práticas na minha empresa. O curso da Graduação no INFNET tem sido fundamental para a minha formação enquanto profissional da área e quanto Empresa valorizo a contratação dos ex-alunos e alunos do INFNET

  21. help about ipad comentou:

    Listen up ! I just found a glitch in your post! Check if your plugins is managed the right way!Find patch at watch movies online for free without download

  22. grande fratello 12 comentou:

    I wish to show some thanks to you just for bailing me out of this particular issue. As a result of looking out throughout the the web and coming across suggestions which are not powerful, I figured my entire life was over. Living without the presence of approaches to the difficulties you’ve resolved as a result of your entire website is a critical case, and ones which may have adversely affected my career if I hadn’t encountered your blog. Your own expertise and kindness in touching almost everything was priceless. I don’t know what I would have done if I had not encountered such a subject like this. I am able to at this time relish my future. Thank you very much for this impressive and results-oriented guide. I will not think twice to endorse your web blog to any individual who should receive support about this problem.

  23. sell comentou:

    Hello, Neat post. There’s a problem together with your web site in internet explorer, may check this… IE still is the market leader and a big component of other folks will leave out your fantastic writing because of this problem.

  24. Flights comentou:

    Thank you for the sensible critique. Me and my neighbor were just preparing to do some research on this. We got a grab a book from our area library but I think I learned more clear from this post. I’m very glad to see such wonderful information being shared freely out there.

  25. bindi comentou:

    Good website! I really love how it is simple on my eyes and the data are well written. I am wondering how I could be notified whenever a new post has been made. I’ve subscribed to your RSS feed which must do the trick! Have a nice day!