Marco Gomes

Geek, imigrante, nerd, cristão, biker. Founder da boo-box (vendida) e do Heartbit. Consigliere do JovemNerd

A poesia nerd de Ernest Cline

Publicado em 2008-07-31

Fanboys Poster Ernest Cline, o principal roteirista de Fanboys, faz poemas nerds muito bons e é geek.

Quem me conhece sabe que odeio poesia em geral, apesar de gostar de rap acho poemas um saco completo, mesmo assim gosto muito do estilo desse autor, sem rimas chatas e métrica entediante, com orgulho nerd, estilo old school e críticas ácidas, não ficando preso apenas em temas nerds.

Fanboys?

O filme conta a história de um grupo de amigos, fãs de Star Wars, que vão assistir a estréia de Star Wars: Episódio I, no Rancho Skywalker. Provavelmente será lançado em setembro. Infelizmente o filme tem enfrentado vários problemas de distribuição e parece que nem será lançado no cinema. De qualquer forma, eu conheci o autor não por conta do filme, mas pelos seus spoken words.

Os spoken words de Ernest Cline

Spoken Word é o nome que damos a uma poesia que não é idiota. Autor desconhecido.

Ernest Cline faz os melhores que eu já li, sobre geeks, filmes pornô, videogames, ouça alguns no site oficial.

Dancem Macacos, Dancem

Dance Monkeys, Dance ficou famoso na internet por conta do curta homônimo. Fala da estupidez e prepotência humana, me alertou pra muitas das idiotices que cometemos com os outros de nossa espécie.

Alguns macacos pensam
que já têm tudo feito.
Alguns macacos lêem Nietzsche
Os macacos discutem sobre Nietzsche
sem levar em consideração o fato
que Nietzsche
era só mais uma p**** de macaco.

Continua: Dance, Monkeys, Dance (en)

Sobre mulher e filme pornô

Eu quero filmes pornô que sejam feitos com caras como eu em mente:
Caras que sabem que a coisa mais sexy no mundo
É uma mulher que é mais inteligente que você.

Continua: Nerd Porn Auteur (en)

Sobre O Geek

Tá vendo, o Geek não pode esperar.
O Geek não tem paciência.
Ele quer o que ele quer quando ele quer.
E tudo que ele quer são coisas estúpidas!

Ele quer seu próprio Tardis.
Ele quer seu próprio sabre de luz.
Ele quer comprar um DeLorean e ele quer dirigí-lo a 88 milhas por hora.

Ele quer filmes.
Ele quer ver a versão do diretor.
Ele quer o a versão Japonesa impossível de achar com
6 minutos de cenas nunca antes vistas.

Ele quer ver Blade Runner. De novo.
Ele quer ver Brazil. De novo.
Ele quer ver Laranja Mecânica.
De novo e de novo!

Continua: The Geek Wants Out (en)

Compre o álbum de spoken words na Amazon MP3 ou no site oficial via PayPal.

Textos relacionados:

Deixe sua opinião

8 comentários

  1. Luis Henrique comentou:

    Bacana! Eu também odeio poesias com “rimas chatas e métrica entediante”. Também não gosto de rap, mas essas poesias nerds são bem legais. :)

  2. Wendel comentou:

    Bem, às vezes dá pra fazer poemas geek legais, mesmo com métrica e rima, vide o site de limericks criado pelo Randall “xkcd” Munroe:

    http://www.limerickdb.com/?top150

  3. Helder Santana comentou:

    Não tinha conhecimento desses poemas. Achei bastante interessante.

    Abraço.

  4. Júlio comentou:

    Cara, esse Dance monkeys é sublime!

    E eu estou com uma expectativa de fanboy para o Fanboy…hehehehehehe

  5. Diego comentou:

    kra, muito obrigado por mais este exelente post, vale indicar dois filmes q talvez vc goste e q quase com certeza já viu mais se n viu aí vai: piratas no vale do silicio e o triunfo dos nerds, os dois vc acha torrent pra eles na net e legendas no http://www.legendas.tv a e eu fikei sabendo q vc fez uma palestra sobre revolução digital, me interessou mt, tem como ce me arruma n? grd abço vei

  6. kelsen comentou:

    estou perto de ter meu próprio sabre de luz =)
    não vejo a hora disso acontecer xD

  7. Joubert Barbosa comentou:

    Eu amo poesia, e nem todas – pelo menos para mim – tem métricas chatas e entediantes. Poetas como Fernando Pessoa que escreveu: “Nada me prende, a nada me ligo, a nada pertenço./Todas as sensações me tomam e nenhuma fica./Sou mais variado que uma multidão de acaso,/Sou mais diverso que o universo espontâneo,/Todas as épocas me pertencem um momento,/(…)”, outros como Drummond que explicou: “A bunda, que engraçada./Está sempre sorrindo, nunca é trágica.” Não me parecem chatos. Agora, quanto a poemas geek, nerds ou como quisermos chamá-los, são basicamente poemas. Gostei bastante desse: “Alguns macacos pensam/que já têm tudo feito./Alguns macacos lêem Nietzsche (…)”.
    Não gostei dos outros.
    Hasta.