Marco Gomes

Geek, imigrante, nerd, periférico, biker. Founder da boo-box (vendida) e do Heartbit. Consigliere do JovemNerd.

Como fazer um empreendimento na Internet

Publicado em 2008-07-02

ATENÇÃO LEITOR! AS INFORMAÇÕES DOS BLOCOS DE CITAÇÕES DESTE POST CONTÉM ERROS, NÃO TOME-AS COMO VERDADE! (tenho que explicar em caixa-alta e com negrito, senão o leitor de título (a.k.a. salsinha) não lê, pega as informações erradas replicadas aqui e espalha ¬¬)

Ceila Santos, do Desabafo de Mãe, ao tentar explicar um pouco do que (não) aprendeu sobre tecnologia troca os pés não apenas pelas mãos, mas também pelas orelhas, intestino grosso e uma abóbora que estava passando por ali.

Isso, portanto, é um post em resposta ao que ela publicou no Midia Social.

Como jornalista, eu sabia que PHP é apenas uma linguagem que tem milhares de programadores que sabe escrevê-la. Em função disso, a segurança é quase zero (fácil de ser escrita qualquer um pode invadí-la). Como empreendedora eu descobri que: lhe garanto que a maioria não saberá entender o que o outro escreveu. Mesmo documentado, sacramentado, enfim ter a documentação do seu código-fonte não adiantará nada quando você muda de programador. Agora, respondam-me peloamordeDeus, a linguagem do Xoops, Drupal, WordPress, Plone e outros é PHP? Poderia ser Java? Quais CMS são desenvolvidos Java? Há chance de PHP ser Java, ou vice-versa?

Tudo indica que todos esses CMS são escritos em PHP.

Fonte: Ceila Santos em Como Não fazer um site de Mídia Social? (CMS)

Nunca vi, em vida, uma confusão tão grande, no final ela ainda suja o nome da classe dizendo que é jornalista… Veja bem senhora jornalista: Se você não entende de um assunto, não escreva sobre ele afirmando coisas como Em função disso, a segurança é quase zero. Tá maluca? Como assim? Nenhuma linguagem de programação é “segura” ou “insegura”, o que é seguro ou não é seu sistema, e deixá-lo com buracos de segurança é culpa do programador, nunca da linguagem.

Como eu já disse, existem vários erros técnicos no texto dela, não vou me prender a eles, você, meu leitor, assuma que está tudo errado e, se precisar ler algo sobre CMS e programação, vá procurar em outro lugar que não seja o blog da Ceila.

No final ela dispara: jornalista precisa ser webdesigner e programador?

Você quer sua resposta? Não! Jornalista não precisa ser designer nem programador. Mas também não precisa ser empreendedor.

Você não precisa ser Desenvolvedor Web pra ter um empreendimento baseado na web, mas isso tem um custo. A Lucia Freitas te aconselhou a aprender o básico das “ciências” da Web, e deu até os links, todos de ótimas referências, claro. Aprenda o básico de muitas coisas e saiba gerenciar os desenvolvedores que contrata esporadicamente (freelas) e, mais importante, saiba pedir direitinho o que quer. Este é o caminho difícil e barato.

O caminho fácil e caro é ter alguém ter alguém que faça este trabalho pra você, e nem pense em contratar freelas, estou falando de alguém na sua equipe. Mauricio Schonenberger, CEO do Ikwa, não é profissional de Desenvolvimento para Internet, sabendo disso, chamou para o board de diretores da empresa o Mestre em Ciência da Computação Dairton Bassi. Vicente Tardin, do Webinsider, não sabe meter as mãos no código, mas endende muito bem o mercado que atua e sabe pedir direitinho o que quer, já tive a oportunidade de prestar serviços pra ele e falo por experiência própria.

Ceila continua com suas confusões mentais:

Se está disposto a dar uma de programador e sabe inglês, basta fazer busca no Google e começar a montar seu site. Não deve ser nada simples, mas parece que é assim que funciona. Por isso, todos se espantam quando afirmo que gastei dinheiro com Desabafo de Mãe, né!

Fonte: Ceila Santos em Como Não fazer um site de Mídia Social? (CMS)

Sim, aprender sobre Desenvolvimento para Internet, de arquitetura de informação a programação, é um longo caminho a ser percorrido apenas se você tem 3 ou 4 anos pra insistir até ver seu site tomar proporções profissionais. Não adianta começar aprendendo hoje e querer ter um site lindo e famoso em 6 meses. Todas as pessoas que conheço que levaram seus sites do total amadorismo pro profissionalismo (e conheço muitas), como Thiago Baeta com seu iMasters, Interney com seu império internético, Alexandre Ottoni com seu Jovem Nerd, Vicente Tardin com seu Webinsider, trabalharam persistentemente por períodos de tempo maiores que 3 anos até levar seus sites pra um patamar que possa ser considerado profissional.

Se você não entente de Web, precisa aprender (vai levar uns 3 anos no mínimo) ou se unir a alguém que entenda.

Além disso, tem a confusão de achar que Free Software é uma orgia em que tudo é de graça, e não é.

Software Livre não é sinônimo de bagunça, não é sinônimo de “sem custos”, não deve ser tomado como amadorismo puro. Desenvolvimento em Free Software[bb], assim como desenvolvimento em software proprietário, é sério, e precisa ser encarado com profissionalismo e dedicação caso você queira fazer um empreendimento usando ferramentas livres. Se você, como jornalista, não quer estudar programação, arquitetura da informação, marcação semântica, otimização para sistemas de busca e tudo mais, então tenha alguém em sua equipe que o faça.

Quer rodar na Internet? Seu empreendimento precisa de alguém que entenda de Internet.

(E eu achando que algumas coisas na vida são óbvias… Ledo engano)

Estupidez - Levando-a a um novo patamar
Tradução:

Jargge: d{>_<}b BeastUK: Como você faz "b" ao contrário? Anonymous: Chama-se "d". Estupidez – Levando-a a um novo patamar.

Textos relacionados:

Deixe sua opinião

29 comentários

  1. Felipe comentou:

    “Veja bem senhora jornalista: Se você não entende de um assunto, não escreva sobre ele afirmando coisas como “Em função disso, a segurança é quase zero”.”

    Mas esse é o princípio básico do jornalismo:
    “Você é capaz de escrever sobre qualquer assunto mesmo sem entender sobre.”

    Definitivamente, ela não entende nada:
    “Há chance de PHP ser Java, ou vice-versa?”

    Essa foi a pior.

  2. Lorrene comentou:

    Meu deus, ela erra feio…. Até o BR-Linux quando esteve em troca de mudança de sistema de publicação, ela relacionou isso como falta de segurança. O_O

  3. Nandico comentou:

    Eu não tenho nada contra as pessoas que são tipo os intelectuais do Século XIX. Vejamos o caso de Roquette Pinto: o nosso grande comunicador era Médico Legista, Professor, Antropólogo, Etnólogo, Ensaísta, Empreendedor (fundou a primeira rádio do Brasil), ocupante da Academia de Letras e como se não bastasse, poeta. Se vivesse nos dias de hoje, com certeza também seria Webdesigner e Programador, fazendo o próprio site e os próprios plugins de wordpress (Roquette-Tube, Roquette-PageRank, Roquette-CodeCitationHighlighting, Roquette-TCPSocket, Roquette-Widgets, etc…).

  4. Diego Monteiro comentou:

    Marco,

    Acho que no papel de entusiastas da web 2.0, da colaboração online, poderíamos nos preocupar muito mais em responder ao questionamento da Ceila em forma colaborativa do que fazer ataques à falta de conhecimento dela em tecnologia (o que ela não tem obrigação alguma de saber)

    Seu post está muito legal no conteúdo, mas a forma do “espirito midia social” que tanto gostamos está faltando! Foi perdida uma grande oportunidade de criação de conhecimento em conjunto!

    Escrevi um post recentemente sobre esse comportamento que as vezes temos quando escrevemos na web que é contrário ao espirito da blogosfera http://peoplebased.net/2008/06/26/quem-apoia-as-midias-sociais/

  5. MarcoGomes comentou:

    @nandico: Eu também nao tenho nada contra Jornalistas quererem programar, como eu disse no texto, quer programar, vai fundo, dedique 3 ou 4 anos pra isso. O problema é ela não querer aprender e ainda assim falar coisas como “[PHP é] fácil de ser escrita qualquer um pode invadí-la”. Peloamor!

    @diego: Eu não tenho NADA contra ela não saber tecnologia, sou o PRIMEIRO a dizer que as pessoas não precisam aprender a gerenciar pacotes pra usar Linux, ou HTML pra escrever um blog, o meu ponto não foi esse, conforme expliquei acima pro Nandico, o ponto é ela AFIRMAR coisas que não sabe! A pergunta: “PHP pode ser Java?” é completamente válida, a afirmação “PHP é inseguro” é estúpida.

    Espero ter me feito entender.

  6. cardoso comentou:

    Como jornalista, eu sabia que PHP é apenas uma linguagem que tem milhares de programadores que sabe escrevê-la. Em função disso, a segurança é quase zero (fácil de ser escrita qualquer um pode invadí-la).

    Oh dear lord.

  7. Nandico comentou:

    Tu tá me levando tão a sério que não percebeu a ironia ;). E eu não como jornalista =).

  8. Diego Monteiro comentou:

    Ok Marco… isso que achei o complicado de ela afirmar algo sem antes pesquisar a fundo! Todas questionamentos e confusões podem ser feitos… mas ensinar o que não sabe é complicado!

    Mas podemos pegar mais leve com ela! Temos que alertá-la que temos que verificar a procedência das infomações na WEb assim como no jornalismo tradicional!

  9. Dirceu Jr. comentou:

    Me lembrou a Jen do IT Crowd…

  10. Lu Monte comentou:

    Boa, Marco! O teu post e o da Lu Freitas estão excelentes, claros, elucidativos e estimulantes. Quem lê o post da Ceila e está começando, pode pensar “putz, é difícil demais, vou desistir” – e não é NADA difícil, e, como você bem disse, ninguém tem que aprender programação para ser um empreendedor da web. Pesquisa e delegação são as chaves.

  11. Guilherme Rambo comentou:

    “Como jornalista, eu sabia que PHP é apenas uma linguagem que tem milhares de programadores que sabe escrevê-la. Em função disso, a segurança é quase zero (fácil de ser escrita qualquer um pode invadí-la).”

    Acho que o cérebro dela é inseguro e deve ter sido invadido para falar tamanha merda, com o perdão da palavra ¬¬

  12. Sérgio F. Lima comentou:

    Opa Marco!

    Achei que bateu um “mode cardoso” em você :-) Pegou pesado com a moça (que nem conheço, diga-se de passagem!)

    E sim, o texto dela, entre outras coisas, está um pouco confuso! Mas a forma de bater as vezes atrapalha mais que ajuda!

    abraços

  13. Felipe Diesel comentou:

    Caramba,

    deu maior nó na cabeça da moça! :D

    O erro dela foi escrever sem conhecer o assunto. Não tinha nenhum conhecido que pudesse revisar (e deletar) o texto?

  14. Lucia Freitas comentou:

    Gente,
    Não fiquem com dó da moça, não, ela realmente não merece. De verdade. Leiam o meu texto e entendam o Marco (aliás, belo post! Muito bom): eu passei DOIS ANOS falando, ensinando, mostrando os caminhos e orientando. DOIS ANOS, galera. Não foram 43 linhas de papo no Gtalk, não… foram milhares.
    Esta gracinha da confusão de Java com PHP? É trocado. Ela teima em não entender. Faz questão de se fazer de coitada. como eu disse lá no meu post: faça o seu negócio.
    como o Marco disse aqui: encontre programadores bons (e vamos combinar que isso a gente tem aqui mesmo, em terras nacionais).
    Vocês colocaram muitas e muitas camadas de conhecimento na questão. Puro 2.0, Diego.
    bj

  15. Nospheratt comentou:

    É, foi muita esculhambação e confusão reunidas num texto só. Sem contar que a impressão que o texto dela passa é que todo mundo que trabalhou no projeto ou é burro, ou sacaneou a moça. E eu sei que isso não é verdade.

    Não sei se foi intencional, mas ela deu uma péssima impressão de seus colaboradores – e acabou sujando os desenvolvedores em geral, também.

    Razão tem o Felipe Diesel – alguém devia ter deletado esse post antes de ser publicado. É aquela coisa – quem diz o que quer ouve o que não quer (principalmente na web, e mais ainda na blogosfera).

  16. Ceila Santos comentou:

    Olá Marcos,
    muito obrigada pela resposta e esclarecimentos em relação às minhas duvidas. fiquei sem web dois dias e continuo sem acesso por isso só agora pareci por aqui. gostaria de esclarecer antes de mais nada que não escrevo meu blog como um material jornalístico. aliás, considero bastante diferente meu blog pessoal de q/q veículo que tenha objstivo de se informar. Espero que isso fique claro porque meu blog não é lugar para informação jornalística e acho que o visual e a forma que escrevo deixa isso claro. eu uso meu blog para desabafos, para expor aquilo que ouço, que aprendo e também para colocar minhas dúvidas. senti que vc considerou minhas colocações e dúvidas como informações oriundas de uma apuração. são formatos editoriais completamente diferente e tinha a intenção somente de desabafar e colocar o que vivi e o que ainda vivo. apesar da confusão ( afinal ela é real pra mim) acreditava que trazer isso á tona poderia me ajudar e quem sabe também trazer outras pessoas que estejam passando pela mesma situação que vivo agora. consegui meu objetivo, enfim, aprendi de onde vem o estigma da insegurança do php (obrigada) e é uma pena que uma expressão pessoal tenha sujado o nome da minha classe de jornalista. acho que não há essa relação até pq o que fiz não tem nada de jornalismo, ok?
    vou ler agora os conselhos da Lúcia Freitas e prazer em conhecê-lo, muito obrigada pela lição e não vou deixar de me expressar no meu blog sobre minhas dúvidas pq em nenhum momento usei convenções naquele post que levam para aquilo que se considera um post informativo. o título já é uma pergunta e mostra que tudo aquilo são indagações de algo que sinto que não deve ser feito.

  17. Ceila Santos comentou:

    Ops, agora li os comentários (queria primeiro responder seu post antes de me “contaminar’).. Acho que vcs estão levando muito a sério meu post. foi apenas um desabafo com nenhuma intenção de criar esse caos. está claro, mas reforçando não etendo de tecnologia. Lúcia, não li seu post ainda, mas não estou fazendo de coitadinha pq nunca tive esse perfil e acho que ninguem ganha nada com isso. Tem uma coisa que percebi nessas agressões feitas a partir do meu post: tente apenas ouvir a confusão do outro sem julgamentos a partir da sua experiência. Minha sensação é de que estão lendo e interpretando a partir apenas da experiência própria. Eu estou confusa e me expressei. é só isso, caracas.
    Nospheratt, sua interpretação foi a que mais me preocupou: equipe burra e sacana? putz pq a confusão pessoal de ser confuso tem que ser culpa dos outros. Nenhum momento, as pessoas que estão ao meu lado ou foram contratadas tiveram ou tem alguma responsabilidade sobre meu aprendizado. pelo contrário. São profissionais super qualificados que tentam na medida do possível transmitir o máximo que podem de informaçãoes, qualificados e fizeram um ótimo trabalho a partir daquilo que foi proposto. a questão é que venho aprendendo aqui e agora aos poucos e do meu jeito. a responsabilidade das minhas confusões e do meu aprendizado é minha e única. ninguém tem nenhuma responsabilidade sobre isso e não foi trabalho de ninguém específico que me fez ver oque vejo agora. Ufa! uma lição entretanto aprendi: confusão gera confusão…agora vou ler lucia freitas

  18. Olá Marco, parabéns pelo excelente post. Acho que a Ceila realmente colocou os pés pelas mãos. Pra gente ver como planejamento e AI é importante pacas.

    Abraço

  19. Ruben Zevallos Jr. comentou:

    Acho que você pegou muito pesado… a Célia estava fazendo somente um desabafo… não escrevendo um artigo sobre o tema…

  20. Ceila Santos comentou:

    segue resultado dessa conversa num novo post (upgrade do trackback) : http://midiasocial.wordpress.com/2008/07/15/a-escolha-do-cms/

  21. Caru Schwingel comentou:

    Senhores e senhoras,
    muito me admira ler este post e os subseqüentes comentários. Concordo plenamente com o Diego Monteiro quando relembra palavras como “colaboração” e “colaborativa”. Ao ler esta página, posso compreender que este é o “espírito” da web 2.0 ou o de auxílio entre internautas, desenvolvedores de conteúdo. Meus caros, sinto muito, mas neste caso são vocês que estão insultado os programadores de sofwares livres, de PHP.
    Esse não é e nunca foi o espírito de colaboração e auxílio que conheço da comunidade de desenvolvimento open source e free software, bem como dos Projetos Softwares Livres Brasil.
    Sou jornalista, pesquisadora em ciberjornalismo, especificamente em CMS e, em momento algum, senti-me ofendida ou diminuída pelo post de Ceila, muito pelo contrário, ele teve e tem a coragem de explicitar um problema que muitos desenvolvedores de conteúdo (jornalistas e afins) enfrentam em projetos na web. Certamente desenvolver metodologias de ensino, estudo e compartilhá-las seria muito mais interessante do que usar um tom agressivo ou irônico no seu próprio entendimento, como é reivindicado.

  22. Fábio Sena comentou:

    Eu apoio o software livre, mas concordo com algumas coisas que a Célia colocou.
    Como você sabe, tive a experiêcia de participar de um sistema muito bem projetado e escrito em PHP. Mas em muitos casos a coisa é como a Célia falou mesmo (sobre a manutenção e tal…). Isso não condena a tecnologia em si, mas o uso. Sobre a segurança, não existe nenhuma relação direta entre PHP e insegurança.
    Minha avaliação é que o PHP assim como o JavaScript não foram linguagem bem projetadas. Entretanto, a web tem nos surpreendido com o uso criativo delas.
    Não sei se a Célia entendeu que não dá pra ter essa separação entre conteúdo informativo e desabafo na net, ainda mais em um Blog que leva o nome de uma jornalista.
    Vê se pega mais leve da próxima vez Marco! ;)
    Você é uma referência na Web.
    []´s

  23. Luiz Dias comentou:

    Só um detalhe, lembrando: CMS = Content Management System. Portanto, o “M” não é de mídia, nem “S” de social.

  24. Gustavo Henrique comentou:

    A moça ainda se diz entendida de Plano de Negócios. Esse tipo de gente ainda consegue trabalhar na área! Como pode.. Ainda diz que estudou DOIS ANOS o assunto (!!!) Acho que ela precisa estudar mais dois..
    Olha, nunca fui de levantar bandeira alguma sobre linguagem mas o que ela fez é ridículo. Mostra que realmente não tem vivência na área nem pra comentar sobre.
    Existem sim muitos sistemas seguros em PHP e ainda É uma linguagem muito bem difundida e o principal, com mão de obra consideravelmente barata perto das demais soluções..

    Caso ela ainda esteja confusa, pergunte! não esqueça de por o ponto de interrogação na frente das frases.. rs

    abraço a todos!

  25. Fábio Silva comentou:

    É Marco, situação engraçada mas bem verdadeira. Tem colegas (jornalistas) que trocam o pé pelas mãos. Na verdade, não somente os jornalistas mas muita gente que imagina ser inteligente citar termos sem saber explicá-los (ou seu significado). Ri bastante.

  26. Lyman Quellette comentou:

    DIY manufacturing is the best developement of human civilization! :)