Marco Gomes

Geek, imigrante, nerd, cristão, biker. Founder da boo-box (vendida) e do Heartbit. Consigliere do JovemNerd

Você só é um empreendedor se tiver produto, dinheiro, time e cliente

Publicado em 2013-12-07

Word entrepreneur from the old dictionary, a close up. Via ShutterstockÉ preciso cumprir os 4 pré-requisitos para ser um empreendedor, sem os quatro você é apenas uma pessoa com uma hipótese, projeto, idéia, protótipo.

Você só é um empreendedor se tiver:

  • Produto
  • Dinheiro
  • Time
  • Cliente

Gosto desta definição pois ela é binária, não dá espaço a características subjetivas como “iniciativa”, “visão” ou “inovação”. Produto, dinheiro, time e cliente, ou você tem, ou você não é um empreendedor.

Produto

O produto também pode ser um serviço, é algo que cria valor para alguém e que, exatamente por criar valor, pode ser vendido.

Dinheiro

Vivemos em uma sociedade capitalista, a empresa precisa de dinheiro para existir. O jeito menos trabalhoso é ter dinheiro próprio investido na sua empresa, mas esta é uma possibilidade para poucos. Outra maneira é ter dinheiro de investidor, bastante comum no mercado de empreendedorismo em tecnologia, startups. O terceiro caminho – e o mais sustentável – é ter dinheiro de clientes, toda empresa precisa evoluir para este estágio em algum momento.

Time

Sem um time, você não é um empreendedor, você pode até ser um “empreendedor individual”, que é outra coisa. Uma das mais importantes contribuições do empreendedor para a sociedade é a geração de emprego. Você precisa de um time. Não necessariamente pessoas contratadas sob regime CLT, não é isso, mas você precisa ter gente boa colaborando com você (freelas, prestadores de serviço). Acho impossível fazer sozinho algo grande e importante.

Cliente

Muitos marketeiros dizem que o objetivo de toda empresa é o mesmo: conquistar e fidelizar clientes. Sem cliente, sem empresa, sem empreendedor.

“Não é bem assim…” Mas é assim, sim.

O empreendedorismo cria valor para a sociedade, gera emprego, movimenta a economia e colabora p/ o P.I.B., mas, com a recente descoberta de empreendedores brasileiros como Romero Rodrigues do BuscaPé, Bel Pesce do FazINOVA e Tallis Gomes da EasyTaxi, entre muitos outros, o cenário de empreendedorismo brasileiro foi lotado por gente se dizendo empreendedora, mas sem resultado palpável. Há projetos, pitches, apresentações, eventos, mas pouco resultado. Este caos inicial é natural e positivo, o cenário brasileiro está renascendo após anos de coma profundo, é normal que surjam muitos projetos bons e ruins neste primeiro momento, faz parte da evolução natural e educação geral.

Não podemos desestimular o empreendedorismo ou crucificar líderes de projetos que não deram certo, como aconteceu com a Shoes4You. O contínuo fomento ao empreendedorismo é essencial, os casos de falha são importantes para a educação do mercado e o maior volume de profissionais tentando ser bem sucedidos em seus negócios acaba gerando bons resultados pela abundância. É melhor para a sociedade brasileira o cenário dos anos 2010, onde muitos tentam ser empreendedores, mas poucos conseguem; que ter o cenário dos anos 1980 e 1990, onde poucos tentam e quase nenhum consegue.

Ainda assim, acho necessário haver um mínimo de critério para alguém se nomear “empreendedor”. Ter uma idéia, um projeto, ou até mesmo um protótipo funcional não faz de uma pessoa um empreendedor. Esta pessoa pode, sim, ter “espírito empreendedor” (seja lá o que isso for), pode ter “iniciativa empreendedora”, mas não é um empreendedor. Para ser um empreendedor você precisa ter produto, dinheiro, time e cliente.

Imagem: Word entrepreneur from the old dictionary, Shutterstock.

Textos relacionados:

Deixe sua opinião

13 comentários

  1. Jota Júnior comentou:

    Marco Gomes, entendo seu ponto com o texto, de ser mais “estrito” na definição de empreendedor, sendo que vários (que não são), se consideram. Bem, é algo vago, pois hoje em dia até a definição de “startup” gera dúvidas.

    Porém discordo em várias partes do texto, e baseado no que li de outras fontes. Creio que conhece o Flávio Augusto da Silva, ex-CEO do Ometz Group e do #GeracaoDeValor. De acordo com “as definições” dele e de diversos exemplos que tempos por aí (e congruente com o significado convencionado e mais aceito de startup), empreender está muito mais nas suas atitudes do que, de fato, num checklist do que já tem.

    O produto, claro, é preciso ter pelo menos um MVP. Porém, tendo um MVP (não o produto completo), já é possível avançar;

    Dinheiro, 95% das startups estão à procura, e não tem o suficiente ainda. Algumas grandes empresas – você sabe melhor do que eu – nem geram receita e valem bilhões!

    Time, muitas vezes é você e seu(s) sócio(s). Quase sempre começa assim. Afinal, sem dinheiro, sem time contratado.

    Cliente, aí depende do tipo de serviço. Não que só alguns precisem de cliente, hahahaha, claro que não! Mas clientes para B2B são essenciais inicialmente, onde em serviço B2P isso se consegue com tráfego e mídia, que só vem com o tempo.

    Enfim, o grande ponto é:
    Eu creio que quem lança um MVP em busca de investimento, e realmente dá a vida nisso, já é um empreendedor.

    Ps.: Malz pelo texto longo, e longe de mim querer te ensinar alguma coisa sobre empreendedorismo. Você tem o conhecimento mais valioso, que é o de ter dado certo, e vários daqui tem só a aprender. Só estou apresentando o que penso

  2. Johns Johnson comentou:

    Saudações Marco Gomes,

    Gostaria de partilhar meu ponto de vista,

    O empreendedor é uma pessoa que soluciona o problema de outras pessoas ou empresas por meio de serviços ou produtos. Dinheiro é resultado. Quanto maior o campo de abrangência, maior a quantidade de dinheiro. Quanto maior o campo de abrangência, maior o time.

    “Empreendedor” não é um rótulo para definir o empresário bem sucedido ou em início de carreira. O “Empreendedor” é uma programação mental que conduz a pensamentos; esses pensamentos conduzem à sentimentos; que por sua vez conduzem à ações; que por fim, conduzem à resultados.

    Na minha opinião, esses 4 pré-requisitos não existem, pois todos são resultados da programação mental “empreendedora”, qualquer um é empreendedor ao pensar e agir como um empreendedor, os seus resultados dependerão de suas ações.

  3. Glauco Cardoso comentou:

    Achei relevante a crítica mas concordo com os comentários que associam toda esta descrição a um empresário. Um empreendedor é alguém que empreende, e o dicionário já entrega o significado da palavra:

    empreender
    em.pre.en.der
    (em2+lat prehendere) vtd 1 Resolver-se a praticar (algo laborioso e difícil); tentar, delinear: Empreender o domínio de si mesmo. vtd 2 Pôr em execução: Conseguira empreender um regulamento aos subalternos. vtd 3 Realizar, fazer: Empreender uma viagem. vint 4 pop Ter apreensões contínuas. Var: emprender.

    Muito mais abrangente do os itens que este checklist propõe. Neste sentido um atleta que treina todos os dias para uma maratona está empreendendo.

    E logicamente, a língua é viva e o que está no dicionario não é petreo. Mas eu enxergo que a motivação desta ressignificação com o checklist seria criticar certos “empreendedores” que existem por ai.
    Eu entendo que na verdade não é por não ter dinheiro e clientes que eles não são empreendedores – é por não fazer nada concreto para que em algum momento cheguem os clientes e o dinheiro.

  4. Luiz comentou:

    Marco eu acho que sei onde você quer chegar, tem muita gente por ai se intitulando empreendedor sem mesmo ter uma idéia concreta, só por que tem uma idéia que fantasiosamente pode ser uma inovação, eu vejo esse texto como uma crítica meio maquiada cheia de verdades rsss, pra tocar no fundo daqueles que se acham os megas empreendedores, humildade é um dos requisitos para chegar lá, abraço.

  5. Andre comentou:

    Excelente Artigo!

    Também gostaria de adicionar que um excelente empreendedor visa sistematizar as coisas e documentar de forma que qualquer novato possa operar os sistemas com um mínimo de treinamento.

    ===================

    http://astropraga.blogspot.com.br

  6. Gustavo Luiz comentou:

    Cara concordo plenamente com você….

    Recentemente participei de um curso de empreendedorismo que o objetivo final seria criar um empreendimento ou polo menos tentar tirar a idéia do papel…

    Mas mano… fracasso total.
    Todos se perdem em métodos, teorias plano de negócios e no final ninguém tinha nada. Alguns acharam que depois de terminado o curso e ter feito uma apresentação em ppt eram empreendedores.

    Acho que empreendedor é colocar a mão na massa…colocar para fazer e com o amadurecimento da idéia você vai fazendo ajustes e melhorias…

    Agora a galera fica só na idéia e se achando os fodas do empreendedorismo.

  7. Prefiro não me identificar comentou:

    Discordo caro Marcos Gomes.
    Sou um empreendedor desenvolvendo um Produto, procurando captar Dinheiro e gerar receita, formando um Time e buscando tornar meu produto uma solução para meus futuros Clientes.
    O que você afirmou é pura falácia e não encontra respaldo na literatura sobre o tema e só burocratiza o termo.
    Será que Nikola Tesla não foi inventor? Inventor foi apenas aquele que explorou comercial e juridicamente seus inventos, que os formalizou através de patentes?
    Think out of the boobox.

  8. Antonio Afif comentou:

    Caro Marco, admiro muito a tua visão e capacidade. Pra mim, um coroa que aprendeu sozinho a usar um computador e seus power point da vida, vejo em você um exemplo único, pois poucos chegarão no teu nível. Vc é um gênio! Quanto aos comentários dos seus leitores, achei todos os que li, válidos, mesmo aqueles que discordam, pois todos foram emitidos por pessoas com conhecimento. De qualquer maneira, parabéns por ter chegado onde chegou.