Marco Gomes

Geek, imigrante, nerd, cristão, biker. Founder da boo-box (vendida) e do Heartbit. Consigliere do JovemNerd

A importância do sofativismo para a movimentação e segurança dos protestos nas ruas

Publicado em 2013-06-15

Tal qual uma Chloe Crowdsourced (aquela de 24 Horas que ajuda o Jack Bauer), os “protestantes de sofá” são essenciais para a movimentação e segurança dos manifestantes que estão nas ruas. A chamada “velha mídia”, como a TV, seus helicópteros e transmissões ao vivo, são usadas como fonte de informação em tempo real sobre o movimento da polícia.

Chloe O'Brian com um celular na orelha e expressão tensa

Quer ajudar? Fiz o Mapa colaborativo dos Protestos BR –– Revolta do Vinagre, conheça!

Em suas residências, munidos de tecnologia mais sofisticada que a disponível em nossos smartphones e com condição de analisar as imagens calmamente na segurança de seus lares, os simpatizantes, que acompanham a TV, a Internet e outras mídias, passam informações essenciais para os manifestantes que estão nas ruas, tudo isso via Twitter, WhatsApp e outras redes sociais de comunicação instantânea.

No texto A Batalha do Vinagre: por que o #protestoSP não teve uma, mas muitas hashtags, Fabio Malini faz uma análise da massa de tweets sobre os recentes protestos ocorridos na cidade de São Paulo. No meio do texto, ele aponta para a curiosa subversão da mídia tradicional, mostrando que, mesmo que a voz dos repórteres e apresentadores tente demonizar os protestos, os “sofativistas” ignoram o áudio e observam cuidadosamente as imagens, avaliando a movimentação das polícias e publicando tudo isso em redes sociais como o Twitter. Munidos dessas informações em tempo real, os manifestantes nas ruas conseguem se proteger e traçar melhores estratégias de movimentação.

Datena com a enquete "Você é a favor dos protestos com baderna?" que tem 915 votos no "Não" e 2179 votos no "Sim".

Datena é “supreendido” com resultado da enquete para lá de dirigida pela emissora de TV. É a TV sendo ocupada pela sua segunda tela, a internet. (Foto de José Geraldo Couto, no facebook)

A beleza do processo é que nada disso foi combinado ou criado por um estrategista bélico ou líder guerrilheiro, esta figura não existe nos protestos atuais do Brasil, tudo isso surgiu naturalmente, organicamente, pelo hábito que a geração Y (ou Millenials) tem de constantemente comentar nas redes sociais tudo que vê em seu dia-a-dia.

Trago esta constatação não apenas como teoria, eu vivi isso na prática. Eu e minha esposa estivemos presentes nos protestos do dia 13 de junho de 2013 que foi do Centro de São Paulo para a Av. Paulista, em São Paulo, e fomos ajudados, várias vezes, pelas informações que eram enviadas para as redes sociais em tempo real, sobre o movimento das tropas de choque da Polícia Militar do Estado de São Paulo. Em algumas situações nós evitamos certas regiões de conflito intenso, em outras nós descobrimos rotas livres de tropas policiais para passar em segurança e chegar ao nosso objetivo (a Avenida Paulista).

E se você para pra pensar, não é qualquer exército que tem à sua disposição transmissão de vídeo em tempo real, helicópteros, imagens em alta resolução e milhares de analistas observando essa montanha de dados, digerindo e passando informação estratégica para as tropas em solo. Obrigado, tecnologia, mas, principalmente, obrigado a todos os sofativistas pela transmissão de informação em tempo real, essenciais para a eficiência dos protestos, continuem fazendo isto.

Quer ajudar? Fiz o Mapa colaborativo dos Protestos BR –– Revolta do Vinagre, conheça e ajude!

Textos relacionados:

Deixe sua opinião

16 comentários

  1. hodrigohd comentou:

    SEGUNDA-FEIRA DE PROTESTOS NO BRASIL

  2. Renan comentou:

    chega de pagar mais impostos do que o proprio preço do produto que vc compra , abaixo ao impostos altos e abusivos chega dessa merda de pais sugar a populaçao

  3. Rafael henrique comentou:

    Eu concordo que devemos ter uma estratégia de ação, no caso de haver a intromissão da polícia. Quando a polícia anti-motim entra, sua estratégia inicial é dispersar a multidão, separando-os em vários grupos pequenos, para isso eles utilizam armamento específico. Portanto, depois que a polícia chega e ameaça a atacar, a estratégia que o grupo deveria ter, é se manterem unidos, e manterem território através da não violência.
    Um dos protestos mais incríveis que já vi, foi um liderado por Gandhi, a cavalaria foi pra cima do povo, e ele mandou todo mundo deitar no chão, os cavalos não quiseram avançar, e eles guardaram seus territórios.