Concentre-se no que não muda

O artigo abaixo foi originalmente publicado na revista iMasters número 4, de fevereiro de 2008. O conteúdo da revista está muito bom, entre vários bons textos, tem Luiz Yassuda e Gilberto Jr. Se você gostar desde artigo, compre a revista (se não gostar desculpe, mas compre a revista mesmo assim :)

O mercado da Web fascina, não passa uma semana sem que fiquemos sabendo daquele primo do amigo que ganha quantias absurdas como consultor Java, .Net ou Vignette. Revistas de negócios adoram estampar em suas capas os promissores jovens bilionários da Internet, sempre dando a entender que a fortuna foi feita sem muito esforço.

É óbvio que um mercado tão fascinante atrai muitas pessoas, normalmente gente que navega na Internet e acha que “fazer site” pode ser tão fácil quanto os cursos de banca de jornal anunciam. Inúmeras vezes me perguntaram que tipo de curso ou tecnologia deve-se aprender pra conseguir alcançar o sucesso profissional, que, acreditam eles, é ganhar quantias absurdas sendo consultor.

Java, .Net, Photoshop, Illustrator, Ruby on Rails, Django, Python, tudo isso vai passar e se tornar peça de museu. Cobol, Delphi, Corel, 3D Studio Max já foram minas de ouro nesse mesmo mercado, acredita? Você deve escolher um caminho e focar em seus conceitos; resolver problemas usando lógica[bb], se comunicar usando palavras escritas[bb], expressar idéias através de imagens[bb], despertar sentimentos só com o uso correto das cores[bb], isso é o importante.

Peguemos um caso específico: Programação.

Houve um dia, em que programar era apenas fechar e abrir caminhos em uma placa de circuitos, tudo que você podia fazer era definir o caminho do bit (isso é grego pra mim também, relaxa), hoje, as coisas estão um pouco mais elaboradas, graças a Deus. Atualmente você pode usar enormes coleções de recursos criados por outras pessoas pra ser mais produtivo, é muito comum que projetos Web da atualidade usem mais código de terceiros que do próprio programador; são os famosos frameworks e bibliotecas: jQuery, .Net, Rails, Struts, Prototype entre outros. Quem sabia apenas como fechar e abrir circuitos teve sérios problemas com a mudança da maneira de programar, quem sabia a resolver problemas lógicos simplesmente jogou ferramentas velhas fora e aprendeu a usar essas mais novas.

Abstraindo bastante, programação sempre foi a mesma coisa: Ordenar que um processador execute ações pré-determinadas após a inserção de dados, sejam estes um cartão perfurado com informações demográficas, uma palavra específica numa tela de letras verdes sobre fundo preto, um clique do mouse em uma aplicação do Facebook. Nos anos 70 as pessoas queriam programas fáceis de usar, rápidos, eficientes e baratos, hoje isso não é diferente, acho impossível daqui a 30 anos os usuários pedirem programas caros, lentos, ineficientes e díficeis de usar =)

Esqueça a água, foque-se o leito do rio

John Dewey descreve esse tipo de situação como um homem que pretende atravessar um rio, se ele ficar olhando a água, esperando esta “passar” pra, só depois, atravessar, vai esperar por toda a vida. Nosso personagem deve se concentrar no leito do rio, em atravessar a água pra chegar na outra margem.

É a percepção do que não muda que diferencia o macaco codificador do profissional que resolve problemas. Se você está entrando agora no mercado, pare e reflita: o que você sabe te diferencia do carinha espinhento que acaba de sair do curso técnico mais respeitado da cidade? E se, de repente, a tecnologia que você se especializou for substituída por uma ferramenta Livre mantida por uma comunidade de desenvolvedores apaixonados? Você vai poder “portar” os anos de experiência que já tem, ou vai jogar uma parte da sua vida no lixo e aprender tudo novamente? E daqui a 5 anos quando a tecnologia mudar novamente? Seja inteligente, concentre-se no que não muda.

Nos negócios, não construa trens, transporte pessoas

No início do século XX, as então soberanas empresas do ramo ferroviário entraram em crise financeira irremediável e quebraram, por conta da revolução dos automóveis. O mercado aprendeu: as empresas não deveriam estar no negócio de construir trens e ferrovias, elas deveriam estar no negócio de transportar pessoas. Pessoas sempre vão precisar ser transportadas, seja à cavalo, seja com teletransporte.

Empresas que se restringem a trilhos de trem, charretes, automóveis, gravações de áudio em CDs, World Wide Web, impressões em papel ou qualquer tecnologia; estão condenadas a passar maus bocados quando a mesma for substituída. Admito que tecnologias dificilmente “morrem” de totalmente, graças a isso ainda existem empresas ferroviárias, mas convenhamos que o mercado ferroviário não é do tamanho que costumava ser. Estamos vendo isso acontecer neste momento, com as dores de barriga das gravadoras de CD e a revolução da música sendo distribuída em meio digital.

Use a tecnologia apenas como um meio para seu negócio funcionar. O objetivo é transportar pessoas no seculo IX? Use trens à vapor. No sec. VI use Charretes. Hoje use motores híbridos, porque ser “verde” é a aposta pro futuro. Seu negócio é o mesmo, mudou a maneira de fazer. Se você é responsável por um negócio ou produto, pare e pense: seu negócio depende de uma tecnologia?

Não estou dizendo, de maneira nenhuma, que negócios dependentes de tecnologia são pouco-rentáveis. O petróleo deixou muita gente rica no século passado, a produção de azeite e cerâmica deixou muita gente rica na roma antiga. Porém, se você atrelar seu negócio a uma tecnologia que morra antes da empresa dar o retorno financeiro planejado, você fracassou, e diferente da roma antiga, tecnologias estão nascendo e morrendo muito rapidamente desde a popularização da Internet. Estamos prestes a uma possível nova mudança, com a centralização do tráfego da Internet em redes sociais, os websites como conhecemos hoje podem deixar de existir. Se você confiar seu sucesso na quantidade de sites existentes corre o risco de ficar pra trás quando tudo se unir em poucas (e enormes) redes sociais.

O negócio do Google é organizar a informação produzida pela humanidade, o negócio do boo-box é fazer marketing relevante, em minha opinião ambos são negócios independentes de tecnologia. E o seu negócio, qual é?

Marco Gomes dreads 2006-10 Marco Gomes é nerd; praticante de parkour; tinha espinhas até o meio do ano quando se meteu num tratamento com drogas pesadas; é diretor de tecnologia da boo-box. Escreveu esse texto na noite de uma sexta-feira, sentado no jardim da casa que mora em São Paulo.

Textos relacionados:

Deixe sua opinião

  1. Muito foda, absolutamente relevante e pertinente. Depois que começou a andar com a Daniele Suzuki, você tá até escrevendo melhor. Abraços…

  2. Muito bom, Marco. Não conhecia mais esse talento, no texto. Concordo contigo, mais esperto é trabalhar com idéias e conhecimento, não com parafusos…

  3. ô coisinha tão bonitinha do pai… merece um beijo!

    e ó, drogas pesadas funcionam hein?

  4. Ae cara, muito legal, depois de ler isso vou correndo comprar a revista, e quanto as espinhas, acho melhor parar de covardia hein heehehhe

    Abraço!

  5. ragatanga é coisa linda de deus..
    mas sim, quanto ao artigo: muito coerente e gostoso de ler, um oásis perto dos artigos chatos e batidos que eu vi por ali

  6. O mais relevante sempre serão as idéias e boas soluções. As ferramentas servem para isso tudo funcionar e se não existirem pessoas para colocar isso no mercado, estaremos perdidos.

    Portanto o mercado está cada vez profissionalizado e graças a Deus os clientes estão tomando consciência disso.

  7. Pingback: Diego Lopes » Blog Archive » Profissões do Futuro

  8. Pingback: Diego Lopes » Blog Archive » Educação do Futuro